Publicidade

Coronavírus provoca cancelamento de eventos pelo mundo

À medida que o Coronavirus avança, temos visto diversos eventos serem cancelados ao redor do mundo, começando pelo SXSW, o primeiro evento de grande porte a oficializar. O Coachella seguiu a mesma atitude, assim como a edição brasileira do Lollapalooza. Essa semana, a organização do São Paulo Fashion Week também decidiu que a edição 49, que aconteceria no fim de abril, está cancelada.

O desfile da À La Garçonne, marcado para o próximo sábado, também foi cancelado. Eventos que reúnem um grande número de pessoas como shows, jogos esportivos e feiras de arte, como a SP-Arte, estão seguindo o mesmo caminho: o do cancelamento ou adiamento para datas à definir. Segundo o Ministério da Saúde ainda é impossível prever quando a situação será normalizada no país, mas há a expectativa de que o vírus ainda irá afetar muita gente, fazendo com que cancelamentos de eventos com público sejam necessários a fim de proteger a saúde das pessoas e evitar a disseminação do vírus.

No comunicado do SPFW, ficou confirmada que a temporada N50, celebrando os 25 anos do São Paulo Fashion Week, está mantida para acontecer entre os dias 16 e 20 de outubro. Em virtude do coronavírus, grifes internacionais precisaram tomar atitudes preventivas em relação aos desfiles e apresentações pelo mundo. A Prada cancelou seu desfile Resort que aconteceria em Tóquio, em maio, seguida pela Gucci, Chanel e Ralph Lauren. Além de cancelar o desfile cruise, em Dubai, a Giorgio Armani exibiu online sua coleção de inverno na Semana de Moda de Milão.

Todos esses cancelamentos, incluindo o do SPFW, mostram o impacto do coronavírus na indústria da moda, afetando as relações de negócios a nível global, em especial na China, onde a doença teve início e que representa um dos mais lucrativos mercado de moda atualmente. Algumas marcas, como Dolce e Gabbana, estão ajudando no financiamento de estudos e pesquisas sobre a doença.

FESTIVAIS E SHOWS
Um dos primeiros baques veio na última sexta-feira, quando a organização do South by Southwest (SXSW), em Austin, nos Estados Unidos, decidiu não realizar, pela primeira vez em 34 anos, o festival de inovação. Ele estava marcado para o período entre os dias 13 e 22 de março, na cidade de Austin, no Texas. Está é a primeira vez em 34 anos que o SXSW não será realizado. "Estamos devastados em compartilhar essa notícia com vocês. 'O show deve continuar' está no nosso DNA", lamentou a organização no comunicado divulgado.

Louvre
Após ter suas atividades interrompidas no começo de março por temor do coronavírus e ser reaberto dias depois, o museu do Louvre, em Paris, voltou a fechar suas portas após determinação do governo francês que restringe aglomerações públicas em até 100 pessoas. O espaço ficará interditado "até nova ordem", segundo comunicado oficial. As exposições “Albrecht Altdorfer” e “De Donatello à Michelangelo”, previstas para começarem em abril e maio, serão adiadas.


Coachella
Um dos maiores festivais de música dos Estados Unidos, o evento foi adiado para o outono do Hemisfério Norte. Segundo nota divulgada, o festival em Indio, Califórnia, vai acontecer a partir de 9 de outubro, ao invés de começar em 10 de abril. Entre as principais atrações desta edição, estavam o Rage Against the Machine, banda recentemente reunida, além de Travis Scott e Frank Ocean.

O adiamento ainda inclui o Stagecoach Music Festival, evento irmão do Coachella, focado em música country, que aconteceria entre 24 e 26 de abril com Carrie Underwood, Eric Church e Thomas Rhett como destaques. Com um público que se aproxima de um milhão de pessoas por ano, o Coachella segue as medidas de segurança para não disseminar o vírus como evitar o aglomeramento de pessoas. Pelo mundo, festivais como o Ultra Music e a Tomorrowland foram cancelados.

Lollapalooza
O Lollapalooza Brasil, festival que aconteceria nos dias 3, 4 e 5 de abril no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, foi adiado para 4, 5 e 6 de dezembro de 2020 por causa do coronavírus.

O anúncio foi feito pela organização do evento, nesta sexta-feira (13). Guns N Roses, Strokes e Travis Scott foram confirmados no line-up, após a mudança de datas. As outras atrações serão anunciadas nos próximos dias. A programação para abril também tinha Lana Del Rey, Gwen Stefani e outros. Ainda não há informações sobre o lugar onde o Lolla será realizado. "A saúde e a segurança de nossos fãs, artistas, funcionários e parceiros e comunidades são a nossa prioridade. Nossos headliners, Guns N Roses, The Strokes e Travis Scott estão confirmados para as três datas remarcadas", disse a produtora do festival.

Todos os ingressos comprados para as datas originais serão válidos nas datas remarcadas. Informações sobre reembolso de ingressos serão divulgadas em breve. O Lollapalooza do Chile e da Argentina foram confirmados para o final de semana anterior, de 27 a 29 de novembro.

Comentários

Matérias + visitadas