Publicidade

SETEMBRO AMARELO | 800 mil pessoas cometem suicídio por ano no mundo, alerta OMS

Com 800 mil pessoas que acabam com suas vidas todos os anos no mundo — uma a cada 40 segundos — os números continuam alarmantes, embora a taxa de suicídio per capita esteja caindo, informou a OMS na última segunda-feira (9/9). 

Em um relatório publicado um dia antes do Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio, a Organização Mundial da Saúde (OMS) explica que entre 2010 e 2016, a taxa global caiu 9,8%, com quedas que vão de 19,6% na região do Pacífico Ocidental a 4,2% na região do Sudeste Asiático.

A região das Américas — onde o acesso a armas de fogo é um importante meio de suicídio, segundo a OMS — é a única que registrou um aumento (+6%). Parte do declínio da taxa mundial se deve ao fato de mais países terem estratégias de prevenção. “Apesar do progresso, ainda há uma morte por suicídio a cada 40 segundos”, a mesma frequência que a indicada em 2014, disse o diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em um comunicado.

Setembro Amarelo
Várias campanhas ligadas as patologias são identificadas por cores, como o Outubro Rosa, que fala sobre o câncer de mama e o Novembro Azul, que aborda o câncer de próstata. Setembro vem com a cor amarela e se coloca como uma oportunidade de intensificar o debate sobre o suicídio. O objetivo da campanha Setembro Amarelo é alertar a população sobre o problema e mostrar que vários casos poderiam ser evitados. O suicídio pode ser definido como um ato deliberado executado pelo próprio indivíduo, cuja intenção seja a morte de forma consciente e intencional. Esta autodestruição é um fenômeno presente ao longo de toda a história, em todas as culturas. É considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública.

Dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Segundo o CVV (Centro de Valorização da Vida), 90% dessas mortes poderiam ser evitadas e a melhor forma de fazer isso é falar sobre, quebrar tabus, superar estigmas e senso comum, alertar e conscientizar a população. Para o professor de Psicologia da FAESA, Doutor Dalton Demoner Figueiredo, a importância do Setembro Amarelo está em justamente estimular a todos a falar sobre esses assuntos que, por muitas vezes, são tabus. “Diferentemente do que muitos dizem, falar do suicídio não aumenta a incidência dos casos”, diz o professor, que enxerga no diálogo a possibilidade de criar oportunidades de apoio a quem estava pensando em tirar a própria vida, e de diminuir o preconceito e resistência a respeito do tema.


Falar é importante. Procurar ajuda também. Mas há como prevenir? O cuidado diário com a saúde mental tem sido um tema cada vez mais frequente. Por muito tempo, fomos orientados a cuidar do corpo, do físico, e deixamos de lado atitudes simples que podem nos ajudar a trabalhar nosso equilíbrio emocional, por exemplo. Uma boa opção de ajuda é ligar para o número 188, onde pode-se conversar com um voluntário do Centro de Valorização da Vida (CVV). O atendimento é 24h. A cartilha Falando Abertamente sobre Suicídio elaborada pelo CVV também traz informações interessantes sobre o assunto e vale a pena ser conferida.

Comentários

Matérias + visitadas